passeios ao Paúl da Serra

Está agendado para todos os primeiros domingos de cada mês uma subida ao Paúl da Serra pela estrada da Encumeada e regresso pelos Canhas (Ponta do Sol).

A concentração dos participantes é no café "Ponte Vermelha" Ribeira Brava com saída às 8h00, paragem no café da Encumeada para reagrupamento e partida para o Paúl às 10h30.

A chegada aos carros é ao meio dia!

Vem connosco!

O Picadeiro

Área Reservada

Testemunhos
Treino OH MEU DEUS! PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

Depois de alguns meses em cima da bicicleta a preparar, aquela que para mim será a rainha das ultra-maratonas, a primeira de muitas (I hope!). Depois de muitas leituras sobre nutrição, relembrar e aplicar planos de treino, chegou a hora do balanço, a hora de pensar que de fato sem muito trabalho e suor nada se alcança! Foram semanas de aprendizagens, tanto à nível físico como técnico, mais precisamente no que se refere ao manuseamento do GPS. Sábado dia 17 de Maio fiz um treino que foi o somatório de semanas de trabalho intensivo. Agora que se aproxima o dia chega o nervosismo miudinho. O trabalho de casa está feito, estou ciente que será definitivamente o maior empeno da minha vida. Fiz o que estava ao meu alcance com o tempo para dedicar aos treinos assim como a disponibilidade económica (disponível) para dispensar em suplementos alimentares e outros. Sozinho não o conseguiria, devo todo este processo evolutivo a uma série de pessoas que de forma direta, ou indireta ajudaram-me a superar e ultrapassar as adversidades, e aturaram o meu bom e o mau feitio! À Ercília que acredita em mim, ficando horas a fio a espera que chegue a casa são e salvo, à sua doçura quando acorda de madrugada com o barulho que faço para me preparar. Ao pessoal todo que me acompanha nos treinos, de manhã cedo ou já ao iniciar da noite no "wind-cannondale-tunel". Ao Nicolau que muito me atura as minhas "Mugabices", ao Luigi que muitas vezes antes do nascer do sol estava na rotunda a minha espera para dar-me coças descomunáveis. Ao Helder, que me emprestou a sua "rush" para continuar os treinos, já que a minha lembrou-se de constipar! Ao Sr Paulo da organização (Honrizontes) que me aconselhou e me deu explicações em como orientar-me com o Garmin Oregon 450t. Ao Carlos que me iluminou nas lides informáticas "garminianas". Ao Borges que gentilmente me emprestou as Magicshine, com uns  poderosos 2000 lumens.  E a todos aqueles, que com palavras de incentivo, fizeram com que me alimentasse de forças e energias positivas nos momentos mais difíceis. Por fim ao Duarte, da Ponte Vermelha que prepara os melhores pregos no bolo-do-caco da madeira, com preço especial para ciclistas, que ao patrocinar a minha ida a Portalegre fez com que pudesse participar no OH MEU DEUS! A todos um bem aja!

Agora resta-me controlar o nervosismo manter "a pedalada" e sonhar sem prepotência em chegar ao fim dentro dos tempos estipulados, sem desviar-me do trilho marcado para não ser desqualificado... Chegar sem ser desqualificado é sem dúvida o meu principal objetivo! OH MEU DEUS onde me fui meter? Com o empeno de sábado fiquei com uma pequena ideia do que irei empenar dia 31 em Lisboa.

Vista panorâmica "googlearteana" do treino OH MEU DEUS realizado no dia 17 de maio de 2012.

144 kms - 4581 metros de acumulado - 9h12 de tempo total -

4 sandes de requeijão com doce de morango nozes e amêndoas - 3 barras pingo-doce - 4 cafés - 2 geles de rápida absorção.

pascal

 
XC/raid de cavaqueira pelas serras da madeira PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

Não podíamos deixar passar mais um esbelto dia de sol nas zonas altas da madeira. Ficamos entretidos entre calhaus, pó, árvores e céu azul com temperatura amena de fazer inveja a um verão "agostiano". O mote foi lançado, as hostes asseveradas às montadas e lá fomos usufruir do que de bom tem uma boa "bttada". Há quem procure o ouro no pote sediado ao pé do arco-íris, há quem procure glória nas aventuras testemunhadas, contadas e recontadas infinitamente, e depois há os que apenas querem usufruir de um bom par de horas bem vividas, suadas, sofridas... e comungar com a natureza na sua mais bela essência. Nem imaginam o quanto queria desenvolver o texto, dramatizar a cena e aprofundar a semântica, mas palavras para quê? Como diz Saramago no seu livro "A viagem do elefante", sempre chegamos ao sítio onde nos esperam; basta acreditar e lutar contra as adversidades para crescer e evoluir no caminho percursor da razão do objetivo. Em bloco como uma unidade indissolúvel, viajamos como os mais audazes viajantes contemporâneos pelos postais turísticos da madeira; "vassalando", como vassalo ao seu suserano, fidelidade ao esforço de querer superar-se na própria glória simbólica em ter conseguido mais uma vez chegar ao fim de mais um esbelto passeio. Como disse atrás, palavras para quê? Quando temos graciosas paisagens a embelezar a moldura.

pascal

 

26fev_1
26fev_1 26fev_1
26fev_2
26fev_2 26fev_2
26fev_3
26fev_3 26fev_3
26fev_4
26fev_4 26fev_4
26fev_5
26fev_5 26fev_5
26fev_6
26fev_6 26fev_6
26fev_7
26fev_7 26fev_7
26fev_8
26fev_8 26fev_8
26fev_9
26fev_9 26fev_9
26fev_10
26fev_10 26fev_10
26fev_img_8562
26fev_img_8562 26fev_img_8562
26fev_img_8564
26fev_img_8564 26fev_img_8564
26fev_img_8565
26fev_img_8565 26fev_img_8565
26fev_img_8569
26fev_img_8569 26fev_img_8569
26fev_img_8571
26fev_img_8571 26fev_img_8571
26fev_img_8580
26fev_img_8580 26fev_img_8580
26fev_img_8581
26fev_img_8581 26fev_img_8581
26fev_img_8587
26fev_img_8587 26fev_img_8587
26fev_img_8589
26fev_img_8589 26fev_img_8589
26fev_img_8590
26fev_img_8590 26fev_img_8590
26fev_img_8591
26fev_img_8591 26fev_img_8591
26fev_img_8592
26fev_img_8592 26fev_img_8592
26fev_img_8593
26fev_img_8593 26fev_img_8593
26fev_img_8594
26fev_img_8594 26fev_img_8594
26fev_img_8597
26fev_img_8597 26fev_img_8597
26fev_img_8598
26fev_img_8598 26fev_img_8598
26fev_img_8599
26fev_img_8599 26fev_img_8599
26fev_img_8601
26fev_img_8601 26fev_img_8601
26fev_img_8602
26fev_img_8602 26fev_img_8602
26fev_img_8605
26fev_img_8605 26fev_img_8605
26fev_img_8618
26fev_img_8618 26fev_img_8618
26fev_img_8620
26fev_img_8620 26fev_img_8620
26fev_img_8627
26fev_img_8627 26fev_img_8627

 
OH MEU DEUS PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

 

OH! Meu Deus onde me fui meter?

Ganhei coragem e inscrevi-me este ano na segunda edição do OH MEU DEUS, versão bike trail!

A minha ousadia prende-se essencialmente na minha passagem para uma nova forma de ver e abordar o btt, conhecer o meu corpo e adquirir formas de me superar, sempre direccionado para aquilo em que acredito o espírito bttista sem competição, numa vertente de auto suficiência programada. Por enquanto, não passará de uma experiência pessoal, onde a troca de experiência será o mais importante; trocar informações com outros atletas e assim preparar-me para a realização das 3 etapas. Isto na minha perspetiva deve ser abordado com humildade e sabedoria afim de evitar constrangimentos.

O sonho comanda a vida! e Deus há de ajudar!

 

cito:

"Não importa em que Deus depositas a tua fé, e ainda que não O tenhas, certamente invocarás a Sua presença e clamarás pela Sua ajuda. O templo para as tuas preces será a Serra da Estrela, em toda a sua magnificência e esplendor"; in repto / Conceito do OH MEU DEUS.

"Trail Bike Pedalarás por trilhos e veredas, quase mil quilómetros e 20000 de acumulado de subidas. Não terminar não será uma derrota, tentar será uma vitória, terminar será uma jornada épica no livro da tua vida"; in disciplinas / Conceito do OH MEU DEUS.

 

 
ULTRA-MARATHON-BIKE-TRAIL of madeira-island PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

Depois do descanso e da repreensão familiar quero partilhar esta mega-aventura.
Iniciamos uma nova etapa nas nossas andanças de "biclas de montanha". Realizamos aquela que hoje podemos afirmar a nossa primeira ultra-maratona "in madeira-island". Chegamos além dos limites e fomos  buscar forças, sabe-se-lá aonde, para a concluir.
A jóia da coroa está na empatia conjunta em escolher, ao cabo de uma porrada de horas de ciclismo "pseudo-aborrecido-alcatroado", os trilhos da Achada da Cruz, casa do Élias, com tomboscotts a mistura, fermentado pela fonte do bispo. A maçã envenenada aguardava-nos, e após relaxar as pernas no Chão das vacas, rumamos trilho acima até a estrada onde nos esperavam uns fatídicos kms até ao Jungle rain (aquele trilho empinado fez um vénia à nossa passagem, ficou de bouca aberta ao ver destemidos bttistas subir terra, raízes e calhau acima sem parar até ao seu cume). Desidratados, votamos a ter contacto directo de 3º grau com o nosso estimado e confuso colaborador de café, que após muitas tentativas fez-nos as contas. O sol ajudou a retemperar as forças; as empanadas, os ovos e as litradas de coca-cola aconchegaram os estômagos ressequidos e doridos por tão avassalador esforço físico. Restava-nos os trilhos do lado sul do Paúl com o parque fotovoltaico até a Bica da Cana. Tomadas dolorosas decisões o grupo separou-se, uns forçados pelo cansaço foram pela estrada Encumeada abaixo, o outro (Mogabi de serviço) foi pelo Lombo do Mouro abaixo até ao local de encontro (ponte vermelha).   

Um dia a pedalar sem contar! Onde chegamos e ultrapassamos os limites dos limites, perdemos as forças, o ânimo e o riso devido ao excesso de esforço acumulado por um descomunal de kms e horas em cima de um selim… Foi titânico para as nossas "legs".

Fizemos o que nem sonhávamos ser possível e exequível fazer-se em cima de uma BTT, em plena Madeira.
50 kms de ligação inicial com um já avantajado desnível, seguido de uma montada na serra, onde por muitos e longos kms parecíamos crianças encantados num esbelto e pleno mês de janeiro; ainda por cima aos 1640 metros de altitude, sem nuvens nem "trovoadas"!
Fomos brindados pelos Deuses do MTB...
Conseguimos! Suamos e lutamos horas a fio; mas é assim que conhecemos os nossos limites, as nossas forças, as nossas capacidades em superar o psicológico, pois tudo não passa de uma batalha entre o psíquico e o físico. Nessa guerra, ganha quem se faz prevalecer!

E assim, quiçá? Um dia poderá nascer a "ULTRA-MARATHON-BIKE-TRAIL of madeira-island".
Como alguém disse, e vendo o mapa do percurso, dá para perceber que a ilha está a tornar-se cada vez mais pequena!

Dureza extrema:
9h00 de treino
7h30 de pedalada
aproximadamente 120kms
aproximadamente 2880 metros de acumulado!?
O que virá a seguir?

pascal

 
Passeio pelo Conselho de Mafra PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

Um passeio pelo Conselho de Mafra para queimar as fatias de bolo de rei que teimosamente abarcaram-se na zona abdominal e um "adieu" a mérida mission carbon team que tantos kms percorreu e tantas alegrias me deu... Tentei dar-lhe a devida homenagem neste seu póstumo passeio.

pascal

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 Seguinte > Final >>

Pág. 7 de 8